O que é Drex? Conheça a moeda digital brasileira

drex moeda digital mulher mexendo no celular

O que é DREX? Imagine uma realidade onde o dinheiro está ao alcance de todos, a qualquer momento, através de dispositivos digitais.

Essa visão está se tornando realidade com a implementação do Drex, a nova moeda digital brasileira que está prestes a revolucionar a maneira como lidamos com nosso dinheiro.

As notícias recentes do Banco Central revelam que esse projeto, batizado como “Drex”, está ganhando vida aos poucos.

O projeto ainda está sendo testado e não tem uma data oficial para ser lançado, mas a previsão é que o público possa começar a usar a nova moeda no final de 2024.

Neste artigo, você vai descobrir as últimas informações sobre o Drex, desde a origem do  nome até as maneiras pelas quais ele se diferencia do conhecido PIX .

Acompanhe!

 

O que é o Drex?

O Drex é a primeira moeda digital oficial do Brasil, também conhecida como Real Digital.

Essa moeda digital é a versão brasileira do “Central Bank Digital Currency” (CBDC), que é uma representação virtual da moeda oficial de um país, emitida e regulada pelo Banco Central.

Na realidade, o Drex vai ser como uma nova versão das notas de dinheiro que estamos acostumados a usar.

Ele terá o mesmo suporte dos princípios e regras econômicas que mantêm o valor e a segurança do nosso dinheiro tradicional, o real.

Isso significa que você poderá realizar transações financeiras, transferências e pagamentos usando o Drex.

 

Características da nova moeda digital:

  • o Banco Central será o responsável por emitir o Drex, como uma evolução da moeda física, sendo distribuído ao público por meio de bancos e instituições de pagamento;
  • a custódia, ou seja, a guarda e proteção do Drex, ficará a cargo do Banco Central;
  • você poderá trocar Drex por dinheiro físico (notas) e vice-versa, mas ele será mais focado em transações financeiras;
  • o valor do Drex em relação a outras moedas será equivalente;
  • diferentemente do dinheiro físico, os bancos não poderão emprestar os Drex a terceiros e depois devolvê-los aos clientes;
  • não haverá correção automática de valor, ou seja, não haverá juros;
  • a segurança jurídica, cibernética e de privacidade estará garantida nas operações.

A expectativa é que o Drex possibilite uma variedade maior de produtos financeiros, atendendo às necessidades dos usuários de forma mais específica e com custos mais baixos.

A ideia é que, ao acessar o aplicativo bancário ou da instituição financeira preferida, os usuários tenham diversas opções de serviços financeiros mais adequados ao seu perfil e orçamento.

cofrinho em formato de porquinho rosa, ao lado de um celular com a tela aberta no drex. em cima de uma mesa de madeira.

 

O que significa o nome Drex?

Segundo o Banco Central, Drex é uma mistura de coisas novas. Eles explicam assim:

  • O “D” é para mostrar que é digital;
  • O “R” é por causa de real, a nossa moeda;
  • O “E” é para eletrônico, já que tudo acontece online;
  • E o “X” é para falar das transações, que são as trocas de dinheiro.

 

Existe alguma diferença entre o Drex e o real?

Na verdade, não. O Drex é basicamente uma forma digital do real. Em outras palavras, é como ter um real em formato eletrônico. A única diferença está na maneira como podemos usar essa moeda.

Por exemplo, pessoas e empresas poderão usar o Drex para ativar serviços financeiros diferentes, como os chamados “contratos inteligentes”.

Um jeito de usar isso é quando duas pessoas estão comprando um carro. Em vez de discutirem sobre quem entrega o quê primeiro – dinheiro ou carro -, eles podem criar um acordo automático usando o Drex. Assim, tudo acontece de uma vez, de forma automática.

E tem mais: com o Drex, as coisas ficarão ainda mais seguras, tanto para quem oferece os serviços quanto para quem usa.

A tecnologia do Drex, chamada de blockchain, trará muitas vantagens para essa nova moeda digital.

 

Veja as principais funções da moeda digital

A ideia é que essa nova moeda digital brasileira possa ser usada em todas as atividades financeiras que já conhecemos, como empréstimos, seguros e investimentos.

  • Pagamentos em lojas: com o Drex, você poderá fazer compras em lojas, usando seu banco, instituição de pagamento autorizada pelo Banco Central, ou até mesmo o PIX.
  • Transferência para pessoas: será possível enviar reais digitais para outras pessoas, como você faria com uma transferência bancária.
  • Depósito Bancário convencional: se preferir, também será permitido transformar seus reais digitais em um depósito normal em um banco.
  • Saque em formato físico: você terá a opção de sacar os reais digitais em dinheiro físico, caso necessite.
  • Pagamento de contas, boletos e impostos: com o Drex, será possível quitar contas, boletos e impostos de forma simples e prática.
  • Movimentação como em um banco: o Banco Central garante que você poderá usar seus reais digitais de forma similar à movimentação financeira que faz com o dinheiro que já tem nos bancos.

 

Principais dúvidas sobre o Drex

Saiba mais sobre o Drex e tire suas dúvidas sobre a moeda digital brasileira!

1.Qual a diferença entre o Drex e o PIX?

Segundo o Banco Central, enquanto o PIX lida com transações instantâneas, o Drex é a própria moeda digital em si.

2. Qual a diferença entre o Drex e os criptoativos?

O Banco Central destaca que criptoativos, como Bitcoin e Ethereum, não têm todas as características para serem considerados uma moeda convencional, como emitida por bancos centrais. Já o Drex é uma moeda oficial, diferente dos criptoativos.

3. Como posso acessar o Drex?

Para usar o Drex, você precisará de uma carteira virtual por meio de um agente autorizado, como um banco, cooperativa, fintech ou instituição de pagamento. Onde você entregará reais tradicionais e receberá a versão digital: o Drex.

4. Haverá custos para usar o Drex?

Sim, haverá custos associados, mas a vantagem do ambiente digital é a redução desses custos em comparação com os processos tradicionais.

5. O Drex é seguro?

Sim, segundo o Banco Central o Drex manterá altos níveis de segurança e privacidade similares aos já presentes em operações bancárias e de pagamentos. A tecnologia blockchain será usada para garantir isso.

 

Fase de testes em andamento

A fase de testes da plataforma do Drex, denominada Piloto RD, já está em andamento.

Esses testes envolvem transações simuladas e clientes fictícios, e estão programados para continuar até março de 2024.

Dentro da plataforma de testes, o Banco Central vai registrar três tipos diferentes de ativos:

  • Drex Digital: é a moeda do Banco Central, voltada para transações entre bancos ou no atacado. Equivale às reservas bancárias ou contas de liquidação atuais.
  • Drex Tokenizado: destinado ao varejo, são versões tokenizadas do depósito bancário. Representam o dinheiro digital que as pessoas físicas possuem nos bancos.
  • Títulos do Tesouro Direto: a plataforma permitirá a compra e venda de títulos públicos federais (TPF) no mercado primário e secundário.

Se o projeto-piloto for bem-sucedido, a expectativa é que o Drex possa ser testado pela população até o final de 2024.

 

 

Publicado por Vitor Fadel

Formado em Estatística pela Unicamp e com MBA em Big Data Analytics pela FIA, atua como o responsável por Riscos de Crédito na Sim. Ao longo da carreira, atuou em áreas de Crédito, Cobrança e Gestão de Portfólio com diferentes produtos, sempre buscando otimizar a relação entre risco e retorno e a satisfação dos clientes.

Assine nossa newsletter semanal e receba conteúdos exclusivos.

*Ao se cadastrar, você concorda com os nossos Termos de Política de Privacidade.

*Ao se cadastrar, você concorda com os nossos Termos de Política de Privacidade.