Mês das Mulheres: Sobre o impacto da diferença

Hoje é 8 de março, um dia diferente de outras datas comemorativas, é o Mês das Mulheres.

O Dia Internacional das Mulheres tem raízes históricas.

É celebrado oficialmente desde 1975 (quando foi oficializado pela ONU – Organização das Nações Unidas) como uma homenagem às dezenas de milhares de mulheres que lutaram por seus direitos no início do século XX. Uma luta que dura até hoje.

Parte da importância dessa data é reforçar a determinação, a força e a garra das mulheres.

Só que, mais importante, é saber que o Dia Internacional das Mulheres tem um propósito muito sério: lembrar todos nós que ainda hoje, mais de 100 anos depois da luta de mulheres que entraram para a história em busca dos seus direitos, ainda há muita (muita mesmo!) desigualdade de gênero.

Essa desigualdade gera um impacto em muitas áreas da vida das mulheres, e a vida financeira é uma delas.

Vamos bater um papo sobre isso?

Tudo está conectado

O dinheiro da mulher brasileira está conectado a muitas situações que se transformam em desafios por conta da nossa cultura e o contexto social em que vivemos. 

É como um ecossistema que começa a ter impacto na vida de cada mulher logo quando jovem e se estende até a velhice.

A realidade das mães solo

Veja o exemplo das mães solo, aquelas mulheres que são 100% responsáveis financeiramente pelas suas famílias.

São mais de 11,5 milhões de mulheres nessa situação (e olha que esses dados são do último Censo, de 2010).

Representam 15,3% dos lares do Brasil.

Em uma sociedade em que as mulheres ganham menos do que os homens exercendo os mesmos cargos, dá para imaginar a sobrecarga de responsabilidades financeiras que acabam caindo nas costas das mães solo.

Elas ficam com os filhos

Uma outra situação de impacto acontece nos casos de separação.

Nos divórcios, são mais frequentes os casos em que as mulheres tenham a guarda dos filhos.

Mais de 65% das mães divorciadas têm a guarda total dos filhos, e o sustento dos pequenos se torna um encargo sustentado, na maioria dos casos, por elas.

Conheça um dado interessante sobre a cidade de São Paulo.

Nessa região metropolitana, 39% das famílias são chefiadas pelas mães.

Nessas famílias, a renda é 30% menor em relação às de famílias em que as mulheres dividem as despesas com os maridos.

O desemprego afeta mais as mulheres

A pandemia afetou drasticamente a classe trabalhadora no Brasil.

Milhares de pessoas perderam seu emprego ou fontes de renda.

Sabia que há mais de 30 anos o Brasil não registrava tão poucas mulheres no mercado de trabalho?

Logo no começo do lockdown, em 2020, mais 7 milhões de mulheres foram forçadas a sair do mercado de trabalho.

E tanto as que perderam seu trabalho quanto as que continuaram empregadas, acabaram assumindo mais responsabilidades: 50% das mulheres começaram a cuidar de alguém durante a crise sanitária pela qual a gente passa.

O reflexo disso é a exaustão, o medo e grandes problemas com a saúde mental.

Fatores que reforçam um círculo vicioso que dificulta o retorno das mulheres no mercado de trabalho, prejudicando ainda mais a situação financeira de suas famílias.

Mês das Mulheres

Dependência financeira

As dificuldades com a saúde financeira criam situações de dependência financeira que abrem portas para relações abusivas e violência contra a mulher.

O fato é que uma mulher com autonomia financeira tem mais recursos para sair de situações desse tipo.

Veja: 48% das vítimas de violência doméstica conseguem se livrar do relacionamento abusivo quando possuem essa autonomia. 

O aumento da expectativa de vida

De acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), as mulheres brasileiras têm uma expectativa de vida de 80 anos, 7 a mais do que os homens. 

As mulheres estão vivendo mais.

Por isso, o impacto das finanças em suas vidas precisa ser levado em consideração para que tenham uma vida mais confortável.

Saúde financeira e respeito para toda a vida

Saúde financeira é para a vida toda e é muito bom aproveitarmos o Dia das Mulheres para entender as lutas e os desafios pelos quais as mulheres passam ao longo da vida.

Para a Sim, participar dessa jornada é muito importante e fundamental, pois o conhecimento e o acolhimento ajudam a garantir uma vida melhor em todos os sentidos. 

Dar voz às verdades e desejos

Para a Sim, é importante que as mulheres tenham voz e que seus desejos sejam respeitados.

Para nós, cada mulher é única, assim como sua jornada.

E todas devem ser ouvidas.

Assista à nossa homenagem para as mulheres que dá início ao início da celebração desse mês tão especial para a transformação da nossa sociedade.

A Sim sempre ao seu lado

Cuidar e manter a saúde financeira é importante para todos e essa é a missão da Sim.

Somos uma fintech do Grupo Santander que nasceu para facilitar o acesso ao crédito transformando o cenário burocrático e cheio de dificuldade desse processo em algo mais simples, ágil e responsável.

Por isso, buscamos entender a realidade de cada pessoa, seus desejos, suas dores e suas necessidades, facilitando o caminho para a saúde financeira com soluções práticas, seguras e totalmente digitais.

Conheça a Sim e todas as possibilidades para você conseguir o crédito que precisa.

Publicado por Fernanda Benevides

Formada em Comunicação Social pela ESPM-SP, atua como Head da área de Growth Marketing, na Sim, desde 2019, liderando as equipes de SEO, CRM, Mídia, Conteúdo e BI. Com trajetória profissional de mais de dez anos em marketing digital, atuou em diferentes indústrias, como varejo, bens de consumo e educação, em projetos focados na aquisição e rentabilização de clientes.