Guia de finanças para casais: como organizar as contas morando junto?

Quando um casal se forma e ambos têm como objetivo morar juntos, seja após o casamento ou não, novas prioridades começam a surgir na vida a dois. Uma delas pode ser a compra de móveis para a nova casa ou os novos hábitos de consumo que impactarão nas contas do casal.

No começo, pode ser um desafio organizar as despesas mensais de um casal. É preciso bastante conversa e compreensão de ambos os lados para chegarem a um acordo equilibrado. Afinal, nem sempre dividir tudo em partes iguais será o melhor caminho se as duas pessoas recebem salários diferentes.
Então, para te ajudar a preparar o planejamento para morar junto e começar a vida a dois com as finanças organizadas, separamos algumas dicas e passos que podem facilitar esse processo. Vamos lá?

Converse sobre dinheiro

O primeiro passo é conversar sobre dinheiro abertamente. É importante entender o cenário em que os dois se encontram, por exemplo: quanto cada um recebe de salário hoje? Qual será o novo custo de vida? Que móveis vão precisar para mobiliar a nova casa? Todas essas perguntas são importantes para que vocês possam entender o contexto em que se encontram.

Assim, será mais fácil planejar e organizar quais serão as prioridades do casal no momento para separar as contas entre os dois, entendendo o que ficará para agora e o que pode ser deixado para outro momento.

Também é importante manter uma periodicidade para analisar os gastos entre os dois e entender onde é possível cortar para salvar economias. Afinal, não adianta falar sobre as questões financeiras apenas no início do processo e depois deixar para lá. É importante estar sempre atento aos pequenos gastos, além de sentar e conversar com seu(a) parceiro(a) para avaliar onde é possível melhorar.

Divida proporcionalmente os gastos de acordo com a sua renda

A divisão das contas entre o casal também é um assunto que pode gerar conflitos se não estiver bem alinhado. Para isso, após a análise do custo total de vida e entendendo quanto cada um recebe, é importante buscar dividir esses custos proporcionalmente.

Por exemplo, se você recebe R$2.000 e o seu parceiro recebe R$1.000 e vocês têm um custo total de vida de R$1.500, é importante definir que quem recebe menos possa pagar um valor proporcional ao seu salário, para que seus custos individuais não fiquem prejudicados. Sendo assim, quem recebe R$2.000 pode contribuir com as contas em R$1.000, enquanto quem recebe R$1.000 contribui com R$500, ou seja, cada um participa das contas em conjunto com 50% dos seus respectivos salários.

Dessa forma, todos podem contribuir de maneira proporcional e ainda conseguem manter sua individualidade com outros gastos que possam surgir, por exemplo, ir ao cinema ou comprar um celular novo.

Para as economias: conta conjunta ou separada?

Muitas vezes as pessoas buscam uma forma mais confiável de organizar as finanças e acabam depositando essa confiança apenas na conta conjunta. No entanto, a opção não é a garantia de que suas finanças em casal estarão dentro do controle, ela também pode ter os seus prós e contras. 

Para ter uma conta conjunta, muitas vezes, é preciso dividir tudo: gastos e receitas. Todos os objetivos passam a ser conjuntos e a individualidade pode ficar comprometida, é preciso bastante cuidado para não interferir na vida pessoal do outro, afinal sempre vão existir os gastos individuais (uma roupa, uma ida ao restaurante, etc.). Nesse caso, vocês podem definir uma mesada para cada um usar com gastos pessoais.

Se a opção for conta conjunta, também pode ser uma boa ideia manter contas correntes individuais e conversar sobre quanto cada um pode contribuir para a conta conjunta.

Se forem contas separadas, vocês podem definir quais custos cada um vai arcar dentro de casa de acordo com a proporção que discutimos no tópico anterior. Assim, as contas ficam organizadas e você ainda pode contar com os seus próprios gastos eventuais.

Método 50/30/20

Uma técnica que pode ajudar na organização das finanças para casais é o método 50/30/20. Basicamente, ele busca organizar a sua renda em 3 partes, sendo elas: 50% com gastos essenciais (conta de luz, água, aluguel), 30% com gastos não essenciais (comida por delivery, roupas, etc) e 20% para os seus investimentos (aplicações, aposentadoria, viagem dos sonhos). 

Com essa análise, você e seu(a) parceiro(a) podem conversar e entender quais as possibilidades de cada um dentro do método. 

O que fazer quando uma das partes fica desempregada?

Outro ponto para ficar atento e planejar é: garantir algumas seguranças caso um imprevisto aconteça ou o orçamento caia pela metade porque uma das partes está desempregada. 

Para isso, é importante ter sempre um fundo de emergência reforçado, ou seja, ter um valor guardado de 6 meses ou mais do custo de vida do casal. As dívidas também precisam ser quitadas e os gastos precisam ser revisados e cortados.

Dicas

Agora, aqui vão algumas dicas para colocar em prática no dia a dia do casal quando o assunto são as finanças:

  • Parceria

Trabalhar em parceria na hora de organizar as finanças é essencial para evitar conflitos e discordâncias. Para isso, busquem sempre tomar as decisões que envolvem os dois em conjunto e entender quais as dificuldades e desafios de cada um quando o assunto é o dinheiro.

  • Transparência

Também é importante que os dois mantenham a transparência quanto aos gastos e rendas de cada um para que ninguém seja surpreendido quando a situação apertar. Para isso, tenham um alinhamento frequente com relação à organização financeira da casa.

  • Tenham sonhos/ objetivos em conjunto

Ter objetivos em conjunto e definir metas para atingi-las também pode ajudar a economizar e guardar dinheiro. Vocês podem definir, por exemplo, onde querem morar daqui a 5 anos, se querem fazer uma viagem de comemoração do casal no futuro ou se pretendem comprar um carro.

Quando o planejamento do futuro dá lugar para atividades do cotidiano como guardar dinheiro mês a mês, fica mais fácil cumprir as metas em conjunto. Afinal, vocês têm um objetivo em comum que estão trabalhando para alcançar juntos.

Quero casar, como me organizo?

Agora, se a sua dúvida vem um pouquinho antes de morar junto e é sobre organizar o casamento. Separamos algumas dicas simples para te ajudar com o planejamento financeiro.

Tenha o planejamento do casamento

Antes de começar a guardar dinheiro é importante planejar o que vocês querem para o casamento e pesquisar os custos dos fornecedores, somando a quantidade total que será necessária para realizar a sua festa dos sonhos.

Além disso, será preciso entender qual é o prazo final para o pagamento dos fornecedores pensando na data do casamento. Assim, será mais fácil definir uma meta para o casal guardar dinheiro em conjunto.

Converse com seu(a) parceiro(a) quanto cada um irá conseguir contribuir mensalmente para atingir essa meta.

Prefira juntar o dinheiro ao invés de parcelar

Aqui, os riscos diminuem bastante quando você abre mão de parcelar para juntar o dinheiro e os motivos são os seguintes: quando você parcela o seu casamento a longo prazo, por exemplo, dois anos, a empresa que você contratou corre o risco de falir e você pode ficar sem o serviço, outro ponto é o risco de acontecer alguma emergência em que você precise cancelar o casamento ou até mesmo de não estar mais junto daquela pessoa.

Além disso, quando você paga à vista ainda tem a chance de economizar até 30% do valor total com os serviços do casamento como buffet, decoração, comida, etc. Então, prefira pagar à vista para o fornecedor, você pode avaliar os custos e considerar até mesmo um empréstimo ao invés de parcelar o serviço.

Tenha uma reserva de emergência antes da reserva de casamento

Antes de fazer a reserva de dinheiro para o seu casamento tenha sempre uma reserva de emergência. Ela será importante caso algum imprevisto aconteça enquanto você estiver juntando dinheiro para o seu casamento, assim você evita que a reserva que está sendo guardada para esse momento especial da sua vida seja utilizada para outro fim mais urgente.

Converse sobre os planos para depois do casamento

Tão importante quanto a festa é entender como serão os hábitos desse novo casal que está se formando. Por isso, é importante conversar sobre as expectativas depois do casamento, fazer os cálculos e entender qual será o novo custo de vida de vocês.

Assim, vocês conseguem se preparar para esse momento evitando surpresas financeiras que não haviam planejado, garantindo um futuro mais tranquilo e estável para os dois. 

Precisando organizar as finanças do casal? Conte com a Sim!

Se vocês estão precisando organizar as contas antes de começar a pôr em prática as dicas apresentadas, tudo bem. A Sim pode te ajudar a conseguir o dinheiro extra que você procura para organizar as despesas ou até planejar o seu casamento.

Somos uma fintech do Santander, atuando de forma independente, garantimos segurança com um sistema 100% online e rápido. Faça uma simulação e descubra a oferta para você!

Publicado por Amanda Borges

Formada em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, com MBA em Gestão e Governança de TI, tem uma trajetória de 12 anos atuando em projetos de desenvolvimento de sistemas voltados para a concessão de crédito. Nos últimos anos, especializou-se no desenvolvimento de Produtos Digitais e em 2019 assumiu a liderança da área de Business Development da Sim.